Quinta, 03 Janeiro 2013 22:02

O MEDO E O IMPULSO

Escrito por 
Classifique este artigo
(0 votos)

Por: Rodrigo Freire

 

O princípio para a conquista é o medo. O fundamento do fracasso, também, é o medo. Fácil é acreditar no estado natural das coisas, onde o conforto aprisiona e afunila a experiência, nos levando a crer que – sempre – seremos fortes e inabaláveis. Ledo engano. Nestas situações, a utopia é certa. Quiçá, a comodidade nos conduza à cegueira, por fechar nossos olhos para os lados, arredores e para a própria verdade.

O que dizer de um sentimento que, simultaneamente, pode conduzir alguém ao triunfo ou à ruína? Palavras, neste contexto, são escassas e não conceituam a essência do significado do medo. Será que, notadamente, sem a presença do receio, poderíamos chegar um dia a voar? Penetrar, em oceanos suntuosos? Levantar, com êxito, após a queda dolente? Fica a reflexão.

É preciso acreditar, efetivamente, na magia do medo. Ele, comprovadamente, pode libertar a alma de um ser. Exemplo disso, encontramos nos investidores bem sucedidos, que, por sua vez, mesmo fazendo uso do temor interior, não sucumbiram e, acertadamente, investiram almejando a conquista, ainda sabendo da probabilidade – remota ou não –, do fracasso. O resultado não pode ser outro, senão, o sucesso.

O impulso pode nascer do assopro, do beijo, do afago ou até mesmo da lembrança. Entretanto, nenhum desses elementos pode, sobremaneira, desbancar o medo, que, quase sempre, é visto como vilão. Extrair do medo a sua condição é retirar-lhe seu real significado, qual seja, o incentivo.

A mansidão torna o homem feliz! Certo? Errado. Aliás, depende. Se o objetivo for a passividade total, sim. É a política do pão e circo. Caso contrário, não. A candura joga aos nossos olhos, predicados passageiros, que apenas o medo é capaz de afastar, assim como faz o limpador de para-brisas, na ocorrência de uma chuva, por exemplo.

De mais a mais, acredita-se que o medo possa estimular o aprendizado, pois, certamente, diversas facetas podem se apresentar cotidianamente, bastando, apenas, que tenhamos a oportunidade de transmutar o pensamento de outrora, fazendo uso do motivo da mudança, o medo. Vê-lo de diferente modo é necessário. A opção é de cada um!

Ler 5197 vezes Modificado em Quinta, 03 Janeiro 2013 22:12
Naiane Doria

Advogada, credenciada na OAB/SE sob o n.º 7569, atuante nas áreas de Direito Civil, Direito Criminal, Direito Trabalhista, Direito Administrativo, Direito do Consumidor e Direito Previdenciário.

Bacharel em Direito pela Universidade Tiradentes - UNIT, em 2012. 
Pós-graduanda em Direito Civil e Processo Civil pela Faculdade de Sergipe - FASE.

1 comentário

  • Ligação de comentário eyokfgyPU Quarta, 24 Julho 2013 17:35 postado por eyokfgyPU

    more training uggs clearance keeping to cheap ugg boots but of uggs cheap for has uggs “EVIL Ltd ugg cheap The fascinating

Deixe um comentário

Certifique-se que coloca as informações (*) requerido onde indicado. Código HTML não é permitido.