Quinta, 03 Janeiro 2013 22:07

A REALIDADE DOS SONHOS

Escrito por 
Classifique este artigo
(0 votos)

Por: Rodrigo Freire

 

Qual a realidade que podemos enxergar nos sonhos? Existe algum tipo de veracidade nos mesmos? Os sonhos são obstáculos para uns; para outros, trampolim. Eis a sutil diferença entre as formas de sonhar.

Vivemos acostumados a sonhar, sem, contudo, buscar seu verdadeiro alcance; isto é, sonhar para muitos é apenas um estado de inércia, de mansidão, onde se instala uma energia estática, por hora, intangível. Por outro lado, para outros, sonhar significa persistência, disciplina, zelo, compromisso e possibilidade de ascensão. Com certeza, já experimentamos, em algum momento, as duas situações ora apresentadas. Vejamos, então: quem jamais sonhou ao relento, e, simplesmente, lá deixou seu pensamento, sem prosseguir com aquele objetivo? Ou até mesmo quem nunca manifestou o desejo – sonho – de conseguir alcançar algo de maior extensão – como casar-se, passar num concurso, viajar, ter nível superior – e não esmoreceram, chegando, ao final, com êxito? Certamente, quem sonhou, neste último caso, conseguiu.

Nos sonhos, o impossível acontece; na realidade, também. Ademais, nos sonhos somos vocacionados a cumprir todas as nossas metas, de modo incondicionado e improrrogável; na realidade fática, os sonhos – em certos momentos – são substituídos pela limitação ou até mesmo pela razão, que os tornam, provisoriamente, distantes, não palpáveis. Na verdade, poderemos até pensar que sonhar é um atributo essencialmente direcionado para os mais ricos e abastados, só que nos esquecemos que o sonho é o alimento da alma inflamada, sedenta de inconstâncias, que atinge todas as classes sociais.

Não devemos crer em sonhos como simples quimera, devaneio, fantasia transitória, que passa e nada deixa de lição; sonhos representam diversos significados, basta que possamos extrair o mais benéfico a nós. Viva a realidade dos sonhos, pois sem estes, sobremaneira, estaríamos fracassados, seja por não acreditar em nós, seja por – puramente – deixar de sonhar. Dessa maneira, há mais realidade do que possamos imaginar nos sonhos.

Por derradeiro, resta-nos deixar uma frase para reflexão, esta de autoria de Mark Twain, que assim fora escrita: “Nunca se afaste de seus sonhos. Porque se eles forem, você continuara vivendo, mas terá deixado de existir”.

Ler 237033 vezes Modificado em Quinta, 03 Janeiro 2013 22:12
Naiane Doria

Advogada, credenciada na OAB/SE sob o n.º 7569, atuante nas áreas de Direito Civil, Direito Criminal, Direito Trabalhista, Direito Administrativo, Direito do Consumidor e Direito Previdenciário.

Bacharel em Direito pela Universidade Tiradentes - UNIT, em 2012. 
Pós-graduanda em Direito Civil e Processo Civil pela Faculdade de Sergipe - FASE.

1468 Comentários

Deixe um comentário

Certifique-se que coloca as informações (*) requerido onde indicado. Código HTML não é permitido.